segunda-feira, 2 de julho de 2012

Jô Soares fala sobre o dom de línguas na Bíblia

No vídeo, Jô faz um raciocínio claro e simples sobre o que  bíblia relata sobre o dom de linguas, sem partidarismos ou paixão, simplesmente a bíblia pela bíblia. Em seguida, coloquei uma resposta do jornalista e consultor bíblico Leandro Quadros sobre o dom de línguas. Vale a pena  conferir.




"O querido telespectador Elvis fez uma pergunta sobre o dom de línguas em 1 Coríntios 14:13. Respondi-o e achei importante também disponibilizar a questão neste espaço do blog:

Que bom receber sua pergunta aqui no blog do programa! Será uma grande satisfação lhe ajudar.

Os irmãos da igreja de Corinto estavam fazendo o uso errado do dom de línguas. Quando lemos especialmente o capítulo 14, percebemos que eles:

1) Não usavam o dom com o propósito evangelístico, pois falam de maneira que os estrangeiros não entendiam – versos 9 e 11;

2) Preocupavam-se mais em “aparecer” do que edificar a igreja – versos 22 e 12;

3) Quando alguém falava em línguas (no grego, o termo significa “idiomas”), tal pessoa não sabia o que dizia ou não possuía um intérprete para ajudá-la – versos 13 e 27;

4) Usavam o dom de forma desordenada – versos 27, 33 e 40.

Com base nesse contexto fica mais fácil compreendermos 1 Coríntíos 14:13. Paulo está dizendo, em outras palavras: “se não há uma pessoa que interprete o dom, então, você que fala em línguas, ore para que Deus dê a você a capacidade de traduzir para os estrangeiros que assistem ao culto a fim de que eles entendam a mensagem e aceitem a Jesus como Salvador”.

Embora alguns cristãos creiam que o dom de línguas em 1 Coríntios 14 seja diferente, ou seja, de uma forma “estática” e “ininteligível”, acreditamos ser ele da mesma natureza de Atos 2, Atos 10 e 19 (assim como em Marcos 16:17) por vários motivos, entre eles:

1) A expressão grega para “língua”, usada em Coríntios é a mesma utilizada em Atos 2: “glôssa”, que significa “língua de nações” ou “idiomas”;

2) O verbo grego “falar” – “laléo” no mesmo capítulo refere-se à “linguagem humana usual”, do “dia-a-dia”;

3) Na expressão “línguas estranhas”, o termo “estranhas” não se encontra no original grego, contrariando assim a ideia de alguma manifestação incompreensível do dom. Veja a tradução da Nova Versão Internacional: “Pois quem fala em uma língua [ou outro idioma] não fala aos homens, mas a Deus. De fato, ninguém o entende; em espírito fala mistérios” 1 Coríntios 14:2..

Desse modo, o dom de línguas de 1 Coríntios 14 (e de outros textos) era o mesmo dado pelo Espírito Santo na ocasião do Pentecostes. E, o problema na igreja de Corinto girava em torno da forma desordenada como o dom era usado.

O dom de línguas tem propósitos evangelísticos. Se o evangelho não for compreendido, as pessoas não serão salvas.

Biblicamente, há apenas um tipo de dom de línguas: aquele pelo qual as pessoas entendem a vontade de Deus para a vida delas.

Espero ter lhe ajudado. Conte comigo sempre que precisar – ok?"

Um abraço.

Leandro Quadros
Jornalista e Consultor bíblico

Fonte: Novo Tempo

0 comentários:

Related Posts with Thumbnails