segunda-feira, 22 de novembro de 2010

O céu é para os outros !

Foto: João Viegas


Meus heróis não morreram de overdose. Estão bem vivos trabalhando ou morreram de morte morrida ou matada. Não se entregaram estupidamente a vícios sem sentido nem se rebelaram sem produzir nada.

Um destes heróis acabou de partir para o Senhor. Se chamava Alberto Graham. Não era bonito nem interessante. Falava esquisito em inglês e pior ainda em português sua terceira ou quarta língua. Vestia umas roupas espalhafatosas e deselegantes, e tinha uma maneira peculiar de andar balançando para os lados como um marinheiro.

Quando jovem recebeu um chamado de Deus para trabalhar com tribos indígenas. Se inscreveu com a esposa no Instituto Lingüístico de Verão. A missão Wycliffe treinava seus possíveis missionários no ILV, mas só aceitava aqueles que tivessem notas acima de 95%. Alberto era um cabeça torta conforme lhe explicaram os índios mais tarde. Ele não conseguia aprender. Foi-se um verão de estudos, foi-se o outro. No meio tempo trabalhava duro quebrando asfalto com britadeira. Não é a toa que a cabeça ficou torta. Fez o curso três vezes antes de passar.

Finalmente passou e foi trabalhar entre os Sateré-Mawé no baixo Amazonas. Já contei esta história antes, talvez tenha esquecido algum detalhe, o fato é que o Alberto conseguiu comunicar Jesus aos Sateré de um jeito que Jesus não se tornou nem estrangeiro nem esquisito e irrelevante. Jesus ficou próximo da cultura e da vida diária da tribo, e Alberto foi tomado como um profeta.

Profeta ele era mesmo e nunca se acomodou ao lugar comum. Quando eu o conheci já velho, ele era um crente diferente. Fazia amigos entre as pessoas de rua, não freqüentava igreja evangélica, ia numa sinagoga em Belém, diz ele que era pra fazer amigo, distribuía dinheiro pelas ruas a desconhecidos. Quando falava dos índios chorava como criança.

Alberto era livre. Conhecia o amor de Jesus que não se limita à religião. Mas esta liberdade ao invés de torná-lo um libertino o tornou um escravo de Cristo. Já aos 70 anos terminou o novo testamento Sateré (talvez uma das mais demoradas traduções do Brasil), e foi trabalhar em outra tribo, depois em outra. Alberto e Dona Sue sua esposa nunca pensaram que já tinham feito o suficiente. Eram simplesmente servos trilhando o caminho da obediência.

Há alguns dias atrás eu soube que o Alberto partiu. Me fez pensar na herança que deixou para todos os que o conheceram e no que talvez signifique para nós o fim de uma era. A nossa formação evangélica hoje nos educa para gozarmos a vida em Cristo, não para perder a vida com Ele. Muito jovens que acompanhei conseguem ir até a entrega, mas esperam nas emoções que sentem a força pra continuar. E as emoções vêem controversas, uma hora te estimulando a ir pra frente, na maioria das vezes te chamando pra trás.

Ouvi outro dia um hino adaptado por uma banda de rock cristã, era um daqueles hinos antigos que falam do céu. O céu é um lugar feliz onde está Deus. Muita gente se liga nas tais das ruas de ouro. Eu tenho ojeriza de pensar numa rua de ouro e muros de pedras preciosas. A metáfora é um tanto absurda que certamente não se refere a nada que conhecemos aqui na terra. Imagine a dificuldade de se descrever algo que nunca se viu antes. Ouro transparente foi o mais próximo que João conseguiu chegar. Mais importante que o esplendor pra mim seria o fato de que a cidade é pura luz, sem que haja nenhuma iluminação a não ser a luz do Cordeiro. Do Cordeiro não do Leão. Não há cantos escuros nela, não há esquecidos. A cidade também não fecha suas portas, nela não há segredos, ou exclusão e não há términos.

O conjunto jovem se deteve por vários minutos no refrão que enfatizava meu desejo pela cidade celestial. Não consegui cantar. O Alberto tinha morrido. Não quero a cidade pra mim. Não a desejo para me aliviar de minhas mazelas. A quero para os outros. Quanto tempo você cantaria se o hino dissesse que o céu é para os outros? Quero o céu para os excluídos, o quero para os que sofrem , o quero para os sem esperança. E por causa disto estou disposta a viver aqui o inferno. O inferno verde, o inferno de mosquitos o inferno de desconforto de décadas de dedicação aos mais pobres dentre os pobres. Foi-se Alberto para a cidade depois de 50 anos de inferno verde. Salve, herói da fé que entendeu que o meu inferno é céu dos outros.

Braulia Ribeiro


Fonte: Ultimato

0 comentários:

Related Posts with Thumbnails