quinta-feira, 30 de junho de 2011

Um novo tipo de louco


Por Brennan Manning

“O Senhor me disse que desejava que eu fosse um louco, de um tipo jamais visto antes”, disse Francisco de Assis. Uma suave revolução acontecerá pela humilde organização dos cristãos loucos que estão dispostos a subverter a ordem estabelecida ao reorganizar sua vida em torno da mente de Cristo. Sua questão é a transparência por meio da veracidade, e seu estilo de vida será moldado pelo evangelho de Jesus Cristo.

Os loucos por Cristo são violentos, como o evangelho ordena que sejam (Mt. 11:12), mas a violência se aplica a eles próprios (Gl. 5:24). Sua bondade é o belo fruto da reverência a Deus, da compaixão pelo mundo e do respeito de si mesmos. Suas prioridades são pessoais, determinadas não pela religião popular do momento, por políticas de poder ou pela cultura de consumo, mas pelo Sermão do Monte e pelo mistério pascal.

Para o louco, Jesus Cristo não é um sábio ou um admirável reformador: é o segundo Adão, autor de uma nova criação. “Estou fazendo novas todas as coisas!” (Ap. 21:5). Jesus redirecionou a realidade e deu-lhe uma orientação revolucionária. Jesus não arrumou o mundo. Ele o levou a uma freada barulhenta. O que ele refez a partir dos materiais humanos da velha ordem não foram pessoas mais agradáveis, com moralidades melhores, mas coisas novas (II Co. 5:17).

O sentido de missão entre os loucos causará destruição na vizinhança. Medos serão despertados e rumores circularão de que tais pessoas estão ficando “estranhas”. Os amigos os aconselharão a se restabelecer e a fazer algo construtivo com suas vidas (como procurar segurança, prazer ou poder). Os vizinhos cochicharão que são fanáticos religiosos. Os familiares darão demonstrações ostensivas de suas realizações duvidosas. Estratagemas serão planejados para levá-los a ver e sentir como de fato são: loucos. Catherine de Heuck Doherty diz: “É como se o mundo precisasse de loucos – loucos por Cristo! Loucos pelo amor de Deus! Pois são tais loucos que mudam a face da terra”.

Conforme seria de se esperar (Jo. 15:18), esses loucos serão ofendidos. O cristianismo hoje é basicamente inofensivo, um tipo de religião que jamais transformará coisa alguma. Jesus Cristo, o mestre revolucionário, transgrediu a ordem religiosa da Palestina. Os cristãos também são compelidos a transgredir e, se não o fizerem, isso é um mau sinal: não estarão sendo revolucionários de fato. Quando os loucos que buscam viver com a mente de Cristo (Fp. 2:5) perguntam a si mesmos “Por que existo?”, eles respondem: “ Por causa de Jesus Cristo”. Se os anjos se perguntarem, a resposta será a mesma: “Por causa de Jesus Cristo”. Se o universo inteiro de repente pudesse falar, de norte a sul e de leste a oeste, ele clamaria em coro: “Nós existimos por causa de Cristo”.

Se houver qualquer prioridade em nossa vida pessoal ou profissional mais importante do que o domínio de Jesus Cristo, desqualificamos a nós mesmos como testemunhas do evangelho e como membros da suave revolução. Desde o dia em que Jesus rompeu os laços da morte e a era messiânica irrompeu na história, há uma nova agenda, um conjunto sem igual de prioridades e uma hierarquia revolucionária de valores para o crente.

O carpinteiro não somente refinou as éticas platônicas, ou aristotélicas, reordenou a espiritualidade do Antigo Testamento, ou renovou a velha criação. Ele trouxe uma revolução. Precisamos renunciar a tudo o que possuímos, não apenas a maior parte. Precisamos abandonar nosso velho modo de vida, e não corrigir apenas algumas de suas poucas aberrações. Devemos ser uma criação completamente nova, não simplesmente uma versão renovada. Seremos transformados de uma glória a outra, até mesmo na própria imagem do Senhor – transparente. A mente será renovada por uma revolução espiritual.

Extraido de “Convite à Loucura”. Epílogo, pp. 149-154.
Brennan Manning. Ed. Mundo Cristão. 2005 (VineyardBH)

via: Tua graça me basta / foto: Gonzaga Soares

quarta-feira, 29 de junho de 2011

Bravura Indômita: o westem com toda a sua grandiosidade

Assisti esta semana à Bravura Indômita, o westem dos aclamados irmãos Coen. O filme é uma adaptação do romance de Charles Portis e já teve uma outra adaptação para o cinema em 1969, com o mesmo título; entretanto, o filme não é um remake de 1969, mas sim uma adaptação do texto original, e o resultado foi um filme incrível que devolve ao westem toda a sua grandiosidade.

Bravura indômita narra o drama de Mattie Ross (Hailee Steinfeld), uma garota de 14 anos que viaja à cidade de Fort Smith, Arkansas, para reaver o corpo de seu pai. Ross possui uma maturidade muito acima de sua idade, e quando não consegue ajuda das autoridades legais para prender o assassino de seu pai, contrata o federal Rooter Cogbum (Jeff Bridges) para ajudá-la a vingar a morte seu pai. Cogbum é uma espécie de delegado federal vesgo e beberrão, mas que possui a fama de ter uma bravura indômita. À dupla se junta laBoeuf (Matt Damon), um ranger (tira texano) que tem seus próprios motivos para caçar Tom Chaney (Josh Brolin), o assassino do pai da garota. Juntos eles partem para o perigoso território indígena, a única pista do paradeiro de Chaney.

Bravura Indômita traz os traços peculiares dos irmãos Coen, desde o humor negro, às cores, à fotografia e às longas tomadas, além de uma trilha sonora que nos arrasta para dentro da narrativa, tornando a obra ainda mais bela, o que lhe rendeu 10 indicações para o Oscar, além da maior bilheteria dos Coen nos EUA.

A história é contada do ponto de vista da jóvem protagonista que ao longo da jornada mostra-se a personalidade mais forte da saga, tendo que interagir com criminosos bárbaros e ainda lidar com as personalidades fortes de seus dois companheiros de jornada. As interpretações são soberbas e a química entre os personagens é clara logo no inicio; a fotografia é magnífica e a trilha sonora apaixonante. Sem dúvidas, Bravura Indômita é um filme para ver e rever. Confira você mesmo.


Perfeição: Legião Urbana

E algumas pessoas ainda me perguntam por que escuto música “secular”? Acredito que seja porque Deus me deu um gosto especial pelo que é bom. Perfeição é de 1993, mas é tão atual que parece ter sido escrita ontem.

Sejamos francos, que falta faz esse tipo de música nas nossas rádios! Renato Russo é música para a minha alma.


terça-feira, 28 de junho de 2011

Por isso eu acredito

Sinceramente, eu não sei o que escrever após ver este vídeo; não encontro palavras, e elas parecem tão pobres diante do que vi e ouvi, que eu apenas queria que vocês vissem e criassem a sua própria descrição para esta magnífica história de vida.


Desejo de morrer


Sábia última escolha.
Fonte: gordo nerd

segunda-feira, 27 de junho de 2011

A igreja dos meus sonhos!

Garota sonhando deitada na grama do parque [Paul Paladin em 123 Royalty Free - www.123rf.com]
A igreja dos meus sonhos é formada por pessoas totalmente conscientes do tanto que pecam, o que as torna humildes e sinceras no trato consigo mesmas e com o próximo. Nela, as pessoas se confessam doentes e não são excluídas por isso.

A igreja dos meus sonhos será envolvida com a cidade e com as coisas e cultura da sociedade, pois não a verá como inimiga a ser vencida, mas como centro das oportunidades de transformação, onde a graça comum de Deus atua de maneira significativa.

Na igreja dos meus sonhos, o pastor ou qualquer outro líder religioso não será visto como guru, como único canal direto da fala e voz de Deus, pois ele será sempre ovelha, o curador ferido e tão carente de Deus como qualquer outra ovelha do rebanho.

A igreja dos meus sonhos é lugar de terapia, cura, graça e manifestações alegres da caminhada com o Pai. Não será geradora de culpa, opressão, fobias e somatizações tão comuns em nosso tempo.

Na igreja dos meus sonhos, a música é alegre e reflete a brasilidade latente em nossa alma e coração. Refletirá a alegria de um povo que canta, dança, chora e ri com a facilidade de um legítimo ser humano de sangue latino.

Na igreja dos meus sonhos, você não vê a hora de encontrar pessoas, e não precisa ir a qualquer um de seus encontros com medo de encontrar este ou aquele, pois nela as pessoas conseguem entender que são diferentes e que grupos de interesse não são “panelinhas”, pois se assim o fosse Jesus teria formado uma com Pedro, Tiago e João.

Na igreja dos meus sonhos o humor é obrigatório e quem não rir ou sorrir estará pecando!
A igreja dos meus sonhos é formada por
pessoas que servem a Deus não porque tem medo do inferno, mas simplesmente porque são gratas a Ele por tudo o que foi realizado através de Jesus.

Na igreja dos meus sonhos, as pessoas não conseguem ficar sem contar o que Jesus tem feito em suas vidas, e um dia sem refletir a graça de Deus será nela um dia totalmente perdido, não importa o quanto tenhamos realizado profissionalmente ou quanto dinheiro tenhamos recebido.

Na igreja dos meus sonhos o bolso também se converterá, não para angariar prosperidade, mas para servir e nos tornar mordomos do que Deus tem nos dado e evitar que o dinheiro seja nosso senhor.

As afirmações acima não estão em ordem de importância, pois na igreja dos meus sonhos tudo é importante e santo quando relacionado à caminhada com o Pai. Não haverá hierarquia do que é mais ou menos e Cristo será tudo em todos!

Na igreja dos meus sonhos eu vou acordar um dia e notar que isto é possível e, muito mais que possível, é real!

Que assim seja!

Marquito

sábado, 25 de junho de 2011

Drivers Ed Direct Parking Game

Que tal testar sua habilidade ao volante tentando estacionar um carro em diferentes tipos de vaga? Então divirta-se com o Drivers Ed Direct Parking Game.
 
 
Drivers Ed Direct Parking Game
 
 
Os comandos do jogo são bem simples. Você só usa as setas do teclado para controlar o carro: ▲ vai pra frente, ▼ dá a ré, ◄ e ► fazem o carro ir para a esquerda e direita, respectivamente. Também é possível combinar as teclas de forma a fazer, por exemplo,  o carro ir para a frente e para a direita ao mesmo tempo.
 
A vaga marcada com o retângulo verde contendo o texto Park Here é onde você deve por o veículo. No canto superior esquerdo da tela está o cronômetro. Tente estacionar no menor tempo possível para ganhar mais pontos, e evite bater nos outros carros, claro. Se quiser recomeçar a fase, clique no botão Restart. Após estacionar aperte a barra de espaço, e saiba o quão próximo ficou perto da perfeição – sua pontuação também depende disso.
 
CLIQUE AQUI para acessar o joguinho.
 
Boa diversão!

sexta-feira, 24 de junho de 2011

A medicina comprova: guardar mágoas traz prejuízos à saúde

Você já sabia que fazia mal à saúde espiritual, não é mesmo? Pois agora pode ver a medicina afirmar o mesmo para nossa saúde física!
 
"Quando guardamos mágoas, o nosso cérebro produz substâncias químicas e hormônios ligadas ao estresse, que limitam as nossas ações e prejudicam nosso bem-estar".
 
CLIQUE AQUI e leia a matéria no Minha Vida.
 

quinta-feira, 23 de junho de 2011

O que são Hades, Tártaro, Inferno e Geena?

O pastor Ciro Zibordi responde no vídeo abaixo.
 
 
 

terça-feira, 21 de junho de 2011

Leis para gays se arrastam no Congresso por não darem retorno eleitoral

Reportagem fala sobre a morosidade do Congresso em apreciar os projetos de lei voltados para o pessoal LGBT em virtude destes não terem muito apelo eleitoral, não renderem votos a seus defensores, apoiadores.
 
No vídeo aparecem a Marta Suplicy, o ex-BBB e agora deputado Jean Wyllys, Jair Bolsonaro e o Marcelo Crivela. Olha que, apesar de tudo que já andou falando inconsequentemente por aí, o argumento do Bolsonaro faz bastante sentido, viu?
 
 

Se tiver problemas de visualização, assista o vídeo direto no UOL Notícias.

 
 
O Jean Wyllys, em sua fala aos 2:44 min do vídeo, afirma: "O Legislativo ainda é, dos três poderes, o mais insensível às demandas de grupos minoritários. É o que mais se articula no sentido de negar direitos a esses grupos e, às vezes, de se articular pra tirar direitos desse grupos". Teria sido esta a justificativa de terem levado a discussão sobre o reconhecimento da união gay como família para o STF? E seria ela verdadeira ou uma mera desculpa? Em qualquer caso, a decisão tomada pelo STF, passando por cima da Constituição, é injustificável.
 
Apesar de mostrar os dois lados que se posicionam antagonicamente na discussão sobre os direitos do povo LGBT, a matéria jornalística me pareceu meio tendenciosa. Você percebe isso já no início, na fala da repórter quando ela diz que o STF "saiu na frente"; na verdade, ele "passou por cima", "atropelou", não é mesmo? A argumentação tenta induzir o espectador a pensar que o STF e o Legislativo são rivais!

segunda-feira, 20 de junho de 2011

Joyful 'toon: Óleo da alegria

Joyful 'toon de número 44.
 
 
      Joyful 'toon 44_Oil of joy PT.BR  
 
 
 Comentário do autor:
Assim como o Homem Lata, de O Mágico de Oz, as tempestades da vida podem nos deixar arruinados, e pode ser duro continuar. Deus, entretanto, nos provê do óleo de Sua alegria para curar nossas dores e nos permitir movermo-nos n'Ele.
 
Publicado aqui sob a autorização de Mike Waters (Joyful 'toons).
 
Versão em português produzida pelo próprio autor com o auxílio de tradução do Mural na Net.

Indentidade Brazil, por Braulia Ribeiro

Em Indentidade Brazil, Braulia Ribeiro fala sobre a importância de resgatarmos a brasilidade da identidade cristã.


A era do desassossego

Man with painful headache [Dmitry Fisher em Dreamstime Free Photos - http://pt.dreamstime.com/free-photos]É de impressionar o que aconteceu com a alma humana nas últimas décadas.

As pessoas ficaram muito mais doentes...

Fragmentação é a palavra que melhor define o que está acontecendo com o ser humano urbano no planeta Terra.

Um dos lugares onde tal fragmentação aparece de modo cada vez mais marcante é nas relações de natureza afetiva.

Tanto de homens como de mulheres o que ouço cada vez são queixas.

As mulheres falam da falta de consciência dos homens a respeito do significado de um casamento de verdade.

Já os homens se queixam do fato de que não sabem se podem confiar em suas esposas, posto que saibam como todo mundo está dando mole pra todo mundo — e esse medo masculino talvez seja também resultado de que o homem julga a mulher sexualmente, agora, pelos seus próprios critérios masculinos; e imagina que ela ‘deseja interiormente’ do mesmo modo que em geral acontece com o homem.

Assim, sofrem as conseqüências de seu próprio veneno.

São carências abismais...

Quase ninguém consegue mais ficar sozinho por um tempo.

A maioria entra em profunda crise de auto-estima se não tiver algum tipo de parceiro sexual.

Sexo é o grande garantidor do valor da maioria das pessoas: teve sexo, está bem; não teve, está mal.

Posso sentir o frenesi no ar...

As ondas que vibram são de um desassossego profundo...

Posso ouvir o respirar resfolegante de seres em um cio existencial insaciável.

Às vezes me dá a sensação de olhar para as pessoas e ver buracos...

Outras vezes parece que vejo garranchos, gambiarras...

Há ocasiões que me dá a impressão de olhar e ver muitas pessoas numa mesma...

Ou me dá a aflição de parecer ver pessoas que foram montadas: um pedaço de cada lado, sem serem elas mesmas jamais, mas apenas partes, incongruentes e desconexas.

Mas o que mais vejo é gente que parece estar com a alma para fora..., tais são as pulsões que se pode quase que ver dentro delas.

É como se tivessem perdido a pele, a cobertura, a proteção; e tivessem ficado vazadas, com tudo exposto; tamanho é o avesso de ser no qual se colocaram.

Hoje está mais fácil encontrar e sair com pessoas do que nunca antes.

No entanto, nunca foi tão arriscado; especialmente se isso implica também em qualquer forma de relacionamento, posto que a maioria das pessoas esteja com a alma muito enferma; e, também, da maioria se pode dizer: legião é seu nome porque cada um “é muitos”.

Numa época como esta a melhor palavra é: “Aquietai-vos e sabei que eu sou Deus!”

Mas do que nunca, quem desejar manter a alma no bem, terá que saber, aprender e praticar, a verdade que diz: “Em descansardes e em sossegardes está a vossa salvação”.

A grande vitória nestes dias é manter a vida sob a consciência do entendimento do Evangelho, preservando o coração na paz, dando sempre mais valor para tudo aquilo que promove a serenidade do coração; e não para as aventuras galopantes que têm o poder dos raios, mas que não aquietam o coração.

“Espera no Senhor e faze o bem; busca a paz, e empenha-te por alcançá-la”.

É no espírito dessa Palavra que se tem que viver cada vez mais.

Quem não crer existirá para saber que não viveu.

Caio

Fonte: caiofabio.net / foto de Dmitry Fisher em Dreamstime Free Photos

Dust In The Wind - Paula Fernandes

Eu fecho meus olhos só por um momento e esse momento se vai... E não existe nada que possamos fazer para mudar isso, nem mesmo o dinheiro pode comprar um minuto sequer... Pois somos apenas poeira ao vento.

Que a correria da segunda-feira não o deixe esquecer da fragilidade da vida, e de como devemos aproveitar estes momentos. Dust In The Wind é música para a minha alma. Seja bem-vindo ao Mural na Net e tenha uma semana abençoada.



quinta-feira, 16 de junho de 2011

Kevin Richardson – “O encantador de Leões”


Talvez você já conheça a história Kevin Richardson, mas é impressionante, quase inacreditável, olhar estas cenas e não fica boquiaberto. Ver Richardson interagindo de forma tão íntima com estes felinos me faz pensar no mundo antes da queda; é como se estivesermos contemplando o Éden e Adão em meio a grandeza da criação.

Kevin Richardson é um fisiologista sul-africano que deixou de trabalhar com humanos há alguns anos e desde então tem passado seus dias na companhia de chitas, leopardos, hienas e leões. Richardson trabalha no Lion Park, em Johannesburg, onde cuida de cerca de 80 leões. Richardson tem um vínculo tão grande com os felinos que é aceito no meio deles como um igual.

"Animais sempre foram a minha paixão, quer dizer, (trabalhar com eles) foi uma progressão natural. Sempre digo que você não precisa necessariamente estudar para trabalhar com animais. Só é preciso uma coisa: paixão".



Entretanto, engana-e quem acredita que ele seja um louco. Richardson confia em seus instintos e sente quando um animal não está para brincadeiras e, portanto, mantém distância. Ele trata cada animal de forma particular e afirma que os bichos possuem personalidades diferentes, sabendo o que deixa cada um irritado, triste, bravo ou feliz.

“Eu tenho que confiar em meus instintos para avaliar um animal ou uma situação, e não vou abordar uma criatura, se algo não está bem”, diz ele.

“Eu não uso varas, chicotes ou correntes, apenas paciência. Pode ser perigoso, mas esta é uma paixão para mim, não um trabalho.”

Essa paixão já quase lhe custou a vida. Certa vez um leão de três anos, que Richards conhecia havia pouco mais de três meses, o derrubou, imobilizado-o com as patas e deu-lhe várias mordidas.

"Ele não queria me matar, mas sim, provar que era o macho dominante."

Richardson não ofereceu resistência e conseguiu acalmar a fera, até que um colega pôde socorrê-lo.

O incidente ensinou ao cientista a estudar melhor as reações dos animais. Para ele os leões e outros predadores são menos imprevisiveis que os humanos.

"Todos temos personalidades diferentes, e com os animais não é diferente. Não se sabe ao certo o que eles pesam, mas você acaba desenvolvendo um sexto sentido e isso ajuda a lida com eles e com humanos."






A verdadeira origem da deriva continental


Finalmente descoberta a verdadeira origem da Deriva continental.


Fonte: A Ovelha Perdida

segunda-feira, 13 de junho de 2011

Joyful 'toon: Placar nulo

Joyful 'toon de número 167. É o penúltimo; vem antes do Caça ao ovo.
 
 
      Joyful 'toon 167_Goose egg PT.BR
 
 
 Comentário do autor:
Como cristãos nós podemos fazer um monte de coisas "boas" e "espirituais", e podemos gastar muita energia fazendo-as. Mas se nossas "boas" obras não forem motivadas por amor, elas não valerão a pena.
 
Publicado aqui sob a autorização de Mike Waters (Joyful 'toons).
 
Versão em português produzida pelo próprio autor com o auxílio de tradução do Mural na Net.

sábado, 11 de junho de 2011

Doodle God 2

Lembram de Doodle God? Pois depois de uma variante de mal gosto, chamada Doodle Devil, onde o jogador faz o papel do diabo, ou de uma força maligna, incumbido de desfazer, destruir, ao invés de criar, seus produtores fizeram o Doodle God 2! Essa segunda versão tem três episódios (veja figura abaixo), sendo que o 1 é primeira versão do jogo. O que há de novo são os episódios 2 e 3!
 
 Tela de escolha dos episódios de Doodle God 2
 
 
Ao iniciar o jogo você chegará na tela acima. Escolha o episódio 1 se você nunca jogou Doodle God. Caso contrário, clique em Episode 2 and 3. O episódio 2 começa de onde parou o 1, isto é, todos os elementos e grupos que deveriam ter sido criados no primeiro jogo já estão lá, e sua missão agora é criar coisas mais complexas.
 
O primeiro elemento que já é dado a você no episódio 2 é o VOID (vazio, nada). E aqui vai uma dica: combine-o com a ELECTRICITY (eletricidade) e você terá o RADIO WAVE (ondas de rádio)! Deu pra entender a lógica do segundo episódio? Agora siga em frente!
 
 
Tela do episódio 2 do Doodle God 2
 
 
As instruções de Doodle God 2 não diferem do primeiro game; portanto, se vai jogá-lo pela primeira vez, recomendo ver o post onde falei da primeira versão. Uma diferença na barra inferior do jogo: agora há um ícone com duas lâmpadas, reparou? Pois ele sugere um elemento a ser criado! Só não vai lhe dizer quais você deve combinar!
 
CLIQUE AQUI e acesse o jogo.
 
Boa diversão!

The Grand Rapids LipDub : Uma linda mensagem de amor

A cidade de Grand Rapids em Michigan, nos Estados Unidos, foi classificada por uma das maiores revistas americanas, a NewsWeek, como uma cidade moribunda, uma “cidade que está morrendo”.

Em resposta à matéria, o produtor Rob Bliss, juntamente com as autoridades locais convocaram a população para um protesto bem criativo contra a matéria: a gravação de um vidéo clip. Mais de 5 mil moradores responderam ao chamado e a cidade parou literalmente para a gravação desta linda demostração de amor.

O resultado é de tirar o folego, bandas, fogos de artificio, carreatas, helicópteros e até um casamento foi realizado para mandar uma mensagem de amor para a cidade e o mundo. Ao som de American Pie, de Don McLean, os habitantes de Grand Rapids declararam ao mundo o amor que tem por sua cidade.

O filme é emocionante, e foi classificado por Roger Ebert, famoso crítico americano, como “o melhor videoclipe da história”. Vale a pena conferir!


quinta-feira, 9 de junho de 2011

Church Mice: Reciclagem

 Church Mice_Recycling

Reverendo:

Senhor, conta-me o que é que queres que eu faça…

 

Deus:

Quero que pare de reciclar!

Reverendo:

Parar de reciclar? Mas e o meio ambiente? Tu sabes… reduzir, reutilizar… Pensei que reciclar era uma coisa boa!

Deus:

Estou falando do seus sermões/pregações!

 

Reverendo:

Mas a maioria dos irmãos dormiram enquanto os proferi pela primeira vez!

 
  Publicado aqui sob a autorização de Karl Zorowski (Church Mice).
Agradecimentos a Martin Erwin (Christian Cartoons).
 
Tradução por Mural na Net.

quarta-feira, 8 de junho de 2011

Domingo da Igreja Perseguida


19 de JUNHO de 2011, um dia para Lembrar e Agir

Image and video hosting by TinyPic
Uma família britânica de convertidos protegendo um missionário cristão da Perseguição dos Druidas (William Holman Hunt, 1850 - Imagem de Wikimedia Commons via Wikipedia)


19 de Junho é o Dia da Igreja Perseguida, um dia para lembramos do nossos irmãos perseguidos. O dia foi criado pelo Irmão André, fundador do Portas abertas há 21 anos, e tem como objetivo levar as igrejas ao redor do mundo a se envolverem e passarem momentos dedicados à lembrança da Igreja Perseguida. Ele  ocorre sempre no domingo seguinte ao de Pentecostes. A data foi escolhida com base no relato bíblico de Atos 4, quando Pedro e João são presos logo após o Pentecostes. Simbolicamente pode-se afirmar que esta foi a "fundação da igreja perseguida".

O DIP é organizado pela Portas Abertas e um grupo de voluntários, e dá a oportunidade da igreja do ocidente conhecer a realidade de milhares de irmãos que sofrem perseguição por professarem a sua fé. Que a data possa ser não apenas um dia, mas que ela seja o ponto de partida para nos colocarmos como intercessores pelos nossos irmãos.

Você quer saber mais? Acesse: Domingo da Igreja Perseguida

terça-feira, 7 de junho de 2011

Barraco ideológico


Por Bráulia Ribeiro

A militância gay exigiu a prisão de um cristão que distribuía folhetos durante uma passeata. Ela parecia reivindicar: “Liberdade de expressão apenas para os que sejam pró-minha causa”. O governo brasileiro promove uma cartilha anti-homofobia, que deve ser usada nas escolas do país. O efeito da cartilha poderá ser a homossexualização precoce de nossas crianças. Sobrarão pouquíssimos heterossexuais nas próximas gerações. Não ser homo será homofobicamente perigoso e deselegante.

No Rio, uma deputada federal usou força policial para impedir o arcebispo de divulgar o principal projeto dela no Congresso: a descriminalização do aborto. Católicos foram impedidos de saber que sua política de defesa da mulher vai permitir a legalização da morte intra-uterina de milhares de meninas. A divulgação do projeto de lei assinado por ela foi considerada pela polícia crime eleitoral!

Pare o mundo que eu quero descer. Quantos discursos vazios! O discurso vazio do meio ambiente, da liberdade, da proteção dos direitos da mulher. O discurso vazio da anti-homofobia, que implanta no país um fascismo moral às avessas. Estamos mergulhados na cosmovisão pós-moderna que corrói como um ácido tudo o que sabemos ser absoluto.

Outro dia vi-me envergonhada de me posicionar contra o aborto. De repente ouvi a minha própria voz num discurso anti-abortista e me senti traindo a “causa” das mulheres, como se fosse uma direitista americana. De onde me veio essa vergonha? Ela nasceu da associação do discurso moral a tudo o que não é moral na religião cristã. Tornei-me vítima da pós-modernisse onipresente. Ao associar o discurso de defesa da vida ao nojo que me causa a indiferença da classe média aos problemas sociais, perdi a capacidade de focalizar o bem como bem e o mal como mal. O mal moral do assassinato de vidas intra-uterinas se relativiza diante da miséria daqueles que puderam viver. O mal começa a ter um leve cheiro de solução, a morte de bebês se doura de cores revolucionárias. O bebê se torna tecido; a morte, uma moeda social.

Nada me mostra a eugenia cínica dessa medida, nada me mostra o horror de Deus diante da institucionalização do crime. Crianças pardas e pobres serão retiradas do útero morno de suas mães; arrancadas ou aspiradas aos pedaços, serão jogadas numa lata de lixo juntamente com outros pedaços ou cadáveres inteiros de bebês. Tudo com o meu consentimento eleitoral, tudo pago pelo meu dinheiro. Crianças serão xiitamente homossexualizadas na escola, sem que os pais possam ensiná-las o “certo e errado” em sexualidade (afinal, numa sociedade hedonista, quem pode dizer que o prazer, em qualquer forma, não é certo?). Mas eu serei uma cristã antenada com as “causas” humanistas, estarei na moda, e poderei dizer ao Bush que nada tenho dele em mim...

É fato que a pseudo-moral humanista nos confundiu. Cristãos erraram, confundiram rigidez moralista com moralidade, confundiram amor a Deus com preconceito. Deus ama, e o amor nos nivela por cima, sejam quais forem nossos multissexos, nossos multiassassinatos em multiformas. Mas nem por isso ele deixa de ser o Legislador, autor do manual de uso, e que não abre mão de ser Deus. Seu amor estabelece o bem e o mal, o certo e o errado, e por isso é amor. E, hoje em dia, este amor acaba tendo ares de reacionário e a proposta bíblica de vida causa um barraco ideológico, sem a elegância do politicamente correto. Graças a Deus.


Fonte: Revista Ultimato

segunda-feira, 6 de junho de 2011

Joyful 'toon: Agarrado firmemente

Joyful 'toon de número 43.
 
 
       Joyful 'toon 43_Tight grip PT.BR
 
 
 Comentário do autor:
As promessas de Deus são uma rocha sólida à qual nós podemos nos agarrar não importam as provações que possam tentar nos puxar para longe.
 
Publicado aqui sob a autorização de Mike Waters (Joyful 'toons).
 
Versão em português produzida pelo próprio autor com o auxílio de tradução do Mural na Net.

sábado, 4 de junho de 2011

Murilo Gun em "Entrevista com o Estagiário"

SENSACIONAL esse vídeo do Murilo! É por essas e outras que me orgulho de ser nordestino. O melhor do humor brasileiro com sotaque da terrinha.


sexta-feira, 3 de junho de 2011

Um amor para recordar

Ano passado o Gonzaga publicou aqui um post sobre a cantora israelense Noa e nele havia o clip da belíssima música Uno queriendo ser dos, que continha cenas do filme Um amor para recordar, lembram?
 
Um amor para recordar (capa do livro) Pois bem, descobri que o filme, por sua vez, é baseado num livro de mesmo nome! É um romance! Recebi o link para sua página no site da Saraiva num boletim que me é enviado periodicamente pela referida livraria.
 
◄ Saiba mais sobre o livro. Clique aqui.
 
 
 
 
DVD duplo: Um amor para recordar + Meu novo amor E sobre o filme, há até um versão especial em DVD duplo onde ele aparece junto com o filme Meu novo amor, estrelado pela mesma atriz de Um amor para recordar.
 
 
 
 
 
 
 
 

quinta-feira, 2 de junho de 2011

Uma questão de lagom

Um texto com curiosidades linguísticas, e que nos faz refletir sobre coisas como respeito ao próximo, gula e até consumismo e sustentabilidade.
 
 
 
Imagem de Ambro em Free Digital PhotosRespeitar o outro é a essência do cristianismo. Por um ano, eu vi como quase todos os suecos mantêm viva a essência cristã do respeito ao próximo – apesar de pouquíssimos irem à igreja.
 
Adoro palavras intraduzíveis. Elas são especiais, trazem conceitos muitas vezes específicos e raros. Em português, “saudade” é a mais famosa. É intraduzível; afinal é diferente de nostalgia – esta, sim, presente em inúmeros idiomas –, porque a primeira se pode matar e a segunda tem um ar de eternidade. Os verbos que outras línguas usam para expressar o sentimento de saudades, como to miss em inglês ou extrañar em espanhol, passam longe da profundidade do vocábulo luso. E, assim, saudade é uma palavra ímpar.
 
Outra destas palavras é uma que aprendi recentemente ao ler Milagrário pessoal, de José Eduardo Agualusa. O livro foi minha melhor leitura de 2010 e me ensinou o termo amparinho. Proveniente do português crioulo do Cabo Verde, significa aquele momento ao final de uma tarde quente, quando a temperatura ameniza e as pessoas saem às varandas para respirar o frescor que se aproxima. Amparinho é uma palavra tão intraduzível, que tem de ser traduzida até ao próprio português.
Related Posts with Thumbnails