sexta-feira, 24 de julho de 2009

Um relato do irmão Xexéu

Um texto/relato do irmão Xexéu [entenda melhor esses relatos aqui] de uma visita sua a uma igreja na Vila da Penha (RJ) [mais detalhes aqui].
 
 

xexéuRio de Janeiro, 13 de julho de 2008.

Prezado K-fé,

Após um período de recesso, novamente me aventurei a participar de um culto numa igreja evangélica brasileira, dando continuidade à minha missão.

Tenho sido criticado por entrar nas igrejas com um gravador oculto. Por isso já fui taxado de tudo. O que os críticos não refletem é que preciso me passar por um visitante, refletir como estes são tratados, se há realmente interesse cristão pelos que não são freqüentadores habituais, se são notados, ajudados, se estes sentem-se acolhidos ou meramente um qualquer. Se o gravador for avistado por certo a atitude fora do costume irá provocar uma nova curiosidade e postura.

Assim sendo, às 19 horas do dia 13 de Julho, entrei na Igreja Presbiteriana em Vila da Penha, subúrbio leopoldinense. Era uma noite de festa, com o encerramento das Conferências Missionárias. Havia um certo alvoroço no santuário; pessoas se preparavam para a participação no evento. Acredito que isto fez minha presença ser pouco notada. Fiquei cerca de 14 minutos quieto, sentado no último banco, aguardando o desenrolar do evento.

A nave estava repleta de bandeiras de diversos países. Na frente um grande painel focalizava o tema: “ Derrubando fronteiras”. Um senhor aproximou-se de mim e saudou-me com um “ boa noite”. Observei uma igreja de faixa etária bem jovem e aparentemente bem relacionados. O templo tem uma capacidade para mais ou menos 300 pessoas. Os músicos davam os últimos retoques nos instrumentos. Algumas jovens arrumavam suas vestes, haja vista que tomariam parte ativa na programação dançando de acordo com as partes musicais. Soube que são denominadas de Levitas.

Finalmente, apareceu um dirigente pedindo que todos desligassem seus celulares. Fez a leitura bíblica no livro de Salmos 2:8 e começou o período de louvores. Em um dado momento o pastor orientou a todos a se cumprimentarem, inclusive aos visitantes. Todos saíram de seus lugares e mutuamente se congratulavam apertando as mãos. Sendo assim, fui muito acionado. Me veio a seguinte indagação: fui cumprimentado por amor ou obrigação?

Um jovem foi convidado a ir à frente com o seu instrumento musical e houve a dedicação especial daquele rapaz para o aprendizado de guitarra. Tivemos os momentos de dedicação dos dízimos e ofertas. Logo a seguir um jovem conclamou a uma nova “coleta”, desta feita para cobrir os gastos com o congresso.

Iniciou-se mais um período de louvor e duas crianças foram consagradas a Deus.

Nova cantoria, e neste instante foi ensinado um novo hino. Então às 20h e 47m o orador oficial foi apresentado. Pensei em me retirar devido ao entardecer da hora, mas algo me fez recuar e confesso que foi bom.

O pastor convidado pelo que entendi é um missionário da JOCUM ( Jovens Com Uma Missão). Esteve 10 anos entre os índios no Amazonas, no Rio de Janeiro evangelizando comunidades carentes e violentas (morro do Borel e Central do Brasil), e atualmente encontra-se no norte do Paraná. Disse que o seu ministério é para construir igrejas, preparar sua liderança e quando estiver andando com suas pernas, partir para novo campo. Fez uma rápida retrospectiva das noites anteriores e contou sobre sua experiência missionária no Rio de Janeiro, seu chamado e como foi sustentado juntamente com 10 pessoas. Em determinado momento abordou sobre uma ocasião em que nada havia de alimentação. Então oraram e ele disse que iria dar uma volta no quarteirão e voltaria com o sustento. Não é que ao passar por um local em Copacabana avistou no chão cinco cédulas do maior valor monetário brasileiro? Pensou ser um “mico”, pois algumas propagandas, utilizam estampas de cédulas bem parecidas para anúncios financeiros. Olhou-as e achou bem próximas do real. Lembrou que alguns jovens também têm mania de brincar amarrando cédulas com linha bem escura e puxá-las quando um desavisado se inclina para pegá-las. Não, não tinha nenhuma linha. Finalmente pisou nas notas, era realmente a providência de Deus. Naquele dia comeram até camarão. Em outra ocasião, quando a dificuldade apertava, receberam doação em dólares do povo do México. Em outro momento, ainda em Copacabana, a dispensa estava vazia. Não tinha mais nada. Orou e falou ao grupo: “vou sair e Deus vai providenciar nosso sustento”. É evidente que voltou à rua em que achou aquelas espécies anteriores e nada havia. Quando se aproximava de volta para casa pensando já na desculpa que teria que arrumar, avistou um cano que no seu interior tinha várias cédulas com uma boa quantia de dinheiro. Ao avistar e pegar, ouviu uma voz: “não temas, eu estou contigo”.

Me chamou a atenção o fato deste missionário recitar trechos grandes da bíblia de memória. A leitura da multiplicação dos pães narrada em Marcos 6:30 – 44 serviu de base para sua palestra. O seu testemunho foi envolvendo o ambiente que nem vi a hora passar. Quando dei conta era 21h 57m.

Ao término fez um apelo missionário e muitos jovens foram tocados. Maravilhoso Domingo.

Um grande abraço.

Fonte: Relatos do Irmão Xexéu; foto tirada do próprio blog (seja verdadeira ou não – num sei… acho que a foto é só de fachada).

0 comentários:

Related Posts with Thumbnails