quarta-feira, 27 de maio de 2009

Obras sociais de igrejas evangélicas presentes no Brasil [1]

Esta semana o Jornal Nacional (Rede Globo) está exibindo uma série de reportagens sobre as obras sociais desenvolvidas por algumas das dezenas de igrejas evangélicas que há no Brasil.
 
Ontem – foi a primeira reportagem – eles deram um introdução à série e falaram de missionários presbiterianos que traduzem a Bíblia para índios no Mato Grosso.
 
Aqui vai o vídeo de 7 min e 32 seg da matéria. Se preferir apenas ver o conteúdo da reportagem transcrito para a forma de texto, clique no continue lendo. Amanhã tem mais.
 
 
 
 
Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), enquanto a população brasileira cresceu 15,5% entre os dois últimos censos, o número de evangélicos dobrou. Hoje, são cerca de 15% dos brasileiros. Como a maioria católica inclui 73% da população, as obras da Igreja Católica são mais conhecidas.

Nesta semana, nós vamos ver o trabalho que os evangélicos estão fazendo não só em cidades grandes como o Rio de Janeiro, mas também em comunidades menores, do interior do país, apoiando populações que frequentemente são esquecidas pelo poder público.
A harmonia dos sons vale por uma prece.

“O instrumento, a música e o canto têm uma ligação muito íntima com Deus”, afirma o músico Gilberto Oliveira.
 
Diante da orquestra em um templo da Assembleia de Deus, como ficar de braços cruzados? A Assembleia de Deus é uma igreja brasileira, criada no início do século 20 em Belém do Pará, que tem hoje 8,4 milhões de fiéis espalhados pelo país.
 
São evangélicos de ramo pentecostal, que acreditam no poder do Espírito Santo e usa a música como oração. Música cheia de fervor.

A Sinfonia da Fé tem origem em um projeto que ajuda crianças, jovens e adultos. Gilberto achava que seria técnico em química. Hoje, toca no culto e também na Orquestra Municipal do Rio de Janeiro.

“Quando a gente está fazendo música, a gente já sente na pele. Às vezes, a gente fica arrepiado. Quando a gente faz a coisa para Deus e dá aquele arrepio, Meu Deus do céu. Esse, Deus recebeu”, explica o músico.
 
Nas oficinas da igreja, ele se descobriu como músico de talento. Uma atividade mantida com uma parte do dízimo, das doações que vem dos fiéis.

“As pessoas costumam ouvir que a igreja só existe para pegar dinheiro do povo, para enganá-lo. Os pastores são tidos como charlatões, pegadores de dinheiro. Mas ninguém vê os acontecimentos sociais que a igreja promove”, afirma Nelson dos Anjos, pastor da Assembleia de Deus.

A origem das igrejas evangélicas está no distante Século 16, na decisão de homens como o monge Martinho Lutero e o teólogo João Calvino, em romper com a Igreja Católica.

O primeiro por não concordar com o pagamento das indulgências, a possibilidade que existia, na época, de comprar o perdão divino. O segundo por querer uma grande reforma na organização dos ritos católicos.

O movimento é conhecido como Protestantismo, de onde derivam a imensa maioria dos evangélicos de hoje.

“Com o Lutero, você vai ter toda uma nova teologia muito calcada na interpretação, na leitura da Bíblia. Você tem que assumir para você que está tudo ali na Bíblia. As suas orientações estão na Bíblia para a sua vida”, declara a socióloga Maria das Dores Machado.

E está lá escrito: a missão dos cristãos é divulgar a palavra de Deus mundo afora. Os presbiterianos foram para Dourados, no Mato Grosso do Sul, em 1928, para levar o Evangelho, com autorização da Funai, para a maior aldeia do Brasil.

A Igreja Presbiteriana tem origem no Século 16, está no Brasil desde 1859 e tem hoje 980 mil fiéis. É conhecida por reforçar os valores éticos e morais. Na missão Caiuá, um hospital só para eles. Também uma escola, com ênfase evangélica.

Em meio à disputa por terras na região que já dura décadas, o preconceito afastou brancos e índios e dividiu a tribo. Hoje, são dois caciques e nenhum pajé, o líder espiritual. O último morreu há cinco anos. Os chocalhos sagrados dos rituais criaram teias de aranha.

Agora, as doenças são tratadas só no hospital da missão. Na cidade, os índios ainda não são bem recebidos.

“A discriminação e o preconceito são muito fortes”, afirma uma índia.

Na escola indígena, os mais velhos tentam não deixar a cultura morrer. Na escola da missão, as aulas dos brancos funcionam como reforço, como ferramenta para entender e transitar no mundo dos brancos.

“Quando você pode ensinar uma criancinha que está ao seu lado, quando você pode curar a ferida de alguém está sofrendo no hospital. Todos esses gestos não são simplesmente de um profissional que está fazendo, mas alguém que tem o ideal de servir e que gostaria, através daquele gesto, alcançar a grandeza e o amor de Deus no seu coração”, afirma Benjamim Bernardes, reverendo da Igreja Presbiteriana.

O reverendo Benjamim sabe que, para tudo isso dar certo, uma barreira tem que cair. Afinal, são evangélicos americanos, de língua inglesa, no Brasil da língua portuguesa, trabalhando com índios que falam o caiuá.

Um dos maiores desafios dos missionários foi tentar entender a língua dos índios para poder falar de igual para igual com eles. Mas os religiosos foram além. Conseguiram registrar pela primeira vez, por escrito, a gramática da língua kaiwá.

Ainda produziram um livro. De texto estranho, sagrado. É a Bíblia feita para os índios e escrita na língua deles.

“Deus me chamou para isso”, conta a missionária inglesa Audrey Taylor.
É o trabalho de uma vida. Audrey começou decifrando gestos e ruídos. Agora, divulga o Evangelho sem precisar de tradução simultânea.

“Eles têm mais valor do que eles pensavam que tinham. A língua está escrita e Deus falou com eles através da Bíblia, na própria língua”, esclarece Audrey.

“Eu gostei da parte onde diz que Deus não quer que nenhum dos pequeninos se perca. Assim como ele amou a ovelha perdida, ele ama a todos igualmente. A missão trouxe uma nova realidade para uma comunidade indígena, uma outra vida”, revela o índio caiuá Natanael Cárceres.

Ensinar, aprender, proteger e ajudar. Na missão evangélica encravada no cerrado, são os próprios índios os primeiros a reconhecer:

“Foi Deus que mandou a missão, tanto os caciques, os rezadores falam disso também. Se não fosse Deus, o caiuá estaria reduzido, muito reduzido, porque nós íamos morrer tudo", avalia a índia caiuá Valdelice Veron.

“Todos nós podemos fazer algo, por mais simples que seja, desde que haja no nosso coração o desejo sincero de poder servir ao próximo”, conclui Benjamim Bernardes.

Na quarta-feira, você vai ver como a vida de moradores de rua está se transformando por causa do trabalho dos metodistas, em um viaduto de São Paulo.
 

8 comentários:

Anônimo disse...

Acredito sim, na boa vontade dos voluntários que pela fé realizam alguma obra mas não acredito que as igrejas evangélicas invistam o dinheiro que sacam do povo em alguma obra social.! Conheça os bastidores de uma igreja evangélica e dará razão ao que estou dizendo!

Anônimo disse...

o meu conselho é: vá às igrejas mas não se aproxime de nenhum pastor; por detrás de cada destes homens de Deus está um tremendo dilema, problema ou patologia grave.
este é o resumo de um cristão com experiencia de mais de 30 anos em diversas igreja e diversos países.

Anônimo disse...

[Respondendo ao comentário do primeiro anônimo]

Caso você não tenha notado isso nas vária matérias da série, esclareço que muitos dessas obras são de voluntários que agem em nome e com o apoio (moral e financeiro) de igrejas.

Em segundo lugar, há sim igrejas que guardam gulosamente o dinheiro que arrecadam e não o aplicam em obras sociais ou em benefício dos próprios fiéis, mas não todas que fazem isso. É necessário esclarecer, porém, que o objetivo maior da igreja (do povo de Deus) em relação aos não fiéis (não convertidos) não é a realização de obras sociais, mas sim a anunciação do Evangelho transformador, curador e salvador de Jesus a eles que estão distantes de Deus. Agora, as obras sociais demonstram o amor do cristão pelo desconhecido, pelo que está longe, pelo que está oprimido, pelo inimigo até. Pode-se até dizer que as obras sociais são uma desculpa para se aproximar do não convertido, uma desculpa pra apresentar a ele depois (ou ao mesmo tempo) o benefício maior que é a salvação em Jesus.

Quando você diz "mas não acredito" soa igual a "mas não acho", ou seja, soa apenas como uma opinião, e não como uma conclusão que veio de uma constatação. Quantos bastidores de quantas igrejas você conheceu para poder chegar a essa dedução? Uma só? Existem maus exemplos, mas você não pode generalizar!


JT Ollemhebb [um dos mantenedores deste blog]

Anônimo disse...

[Respondendo ao comentário do segundo anônimo]

Os pastores, ao contrário do que se pode pensar, não são super-homens ou super-crentes [é assim que se escreve?] Eles são humanos iguais aos outros cristãos!! Eles também podem vir a ter um tremendo dilema, problema ou patologia grave que nem eu e você!
E quantas vezes nós ovelhas paramos pra buscar mais a Deus com intuito de resolver esses tremendos dilemas, problemas ou patologias mortais, hein?

O que difere um pastor dos outros cristãos (as ovelhas) é que ele é escolhido/chamado por Deus para esta função porque ELE vê nele uma vocação para a função. Pelo menos é assim que deveria ser sempre. Se não tem sido assim, algo está errado.

E quantas vezes você se aproximou de um pastor pra oferecer algum apoio? Quantas vezes orou por ele pedindo a Deus que o guiasse, o comfortasse, o "endireitasse", enfim... são tantas coisas que acho que poderia ser feito em relação a isso. Renderia um grande debate. Há falhas de nossa parte, ovelhas, também.

É realmente lamentável que após 30 anos e tendo passado por várias igrejas, em vários países, você tenha constatado isso constantemente. Seria mais um sinal dos últimos tempos?

Nosso consolo é que o pastor certo a quem devemos mirar e por quem devemos nos guiar é o pastor maior: Jesus. Neste não há defeito, nao há mácula! Ele é o Pastor dos pastores!

JT Ollemhebb

Pr Maroel Bispo disse...

Excelente. O trabalho social desenvolvido pelas igrejas evangélicas deve ser mais divulgado, pois isso engrandede o nome do Senhor Jesus.
Pr Maroel Bispo - Presidente da Associação Batista de Ação Social, ligada à Igreja Batista do Feira VI.
http://samaritanoamigo.blogspot.com

Anônimo disse...

Tem algum hospital mantido pelas igreja "evangelicas"? Tem quantas creches? Quantos orfanatos? Quantas escolas? Ate onde vejo e confirmo os "evangelicos" não prestam serviços comunitários reais. E não respeitam as outras religiões, vivem abordando as pessaos nas ruas com papeizinhos dizendo ser a palavra de deus e "JULGAM" as pessoas pelas suas aparencias. Se acham os donos da razão e eu nunca vi eles ajudarem alguém. Por varias vezes eu ajudo as pessoas sem nem ao menos conhecer e já presenciei um senhor com a biblia em baixo do braço discriminando pessoas nos pontos de onibus.

Cesar Alonso Carrera disse...

DÍZIMO VERDADE OU DESOBEDIÊNCIA Afinal meus irmãos e pastores. A LUZ DA BÍBLIA o que é OBEDECER A DEUS no NOVO TESTAMENTO. MALAQUIAS. 3. 8 a 12 ou 2º aos CORINTIOS. 9. 7. DÍZIMOS ou OFERTAS DE AMOR. Pensem bem ? Ainda ha tempo. Meu email. alonsocarrera@hotmail.com

Cesar Alonso Carrera disse...

PERGUNTA AOS PASTORES EM GERAL.

Quantos pastores se sujeitariam a pregar conforme era no tempo de JESUS, de GRAÇA. MATEUS 10. 8 \"DE GRAÇA RECEBESTES DE GRAÇA DAI\" Eu duvido que haja mais do que 5% dos hoje pregam.
Meu email. alonsocarrera@hotmail.com

Related Posts with Thumbnails