sexta-feira, 16 de outubro de 2009

O crescimento da igreja evangélica e o genuíno despertamento espiritual (2)

Terceira parte (ou segunda depois da introdução) de uma série de artigos do Rubens Muzio onde ele analisa o crescimento da igreja evangélica brasileira.
 
 
Richard Wong [CreativeMYK.com]
 
 
2. A presença de um sub-cristianismo confirmado pela superficialidade das conversões
 
John Stott, no 1º Congresso de Lausanne, descreveu com ousadia a igreja africana da seguinte forma: como um grande rio, com milhares de quilômetros de extensão e centímetros de profundidade. Esta tem sido uma das preocupações mais enfatizadas pelos missiólogos na análise do crescimento da igreja no hemisfério sul: apesar de que milhões tornaram-se cristãos e demonstraram um entusiasmo superficial e alegria contagiante, os corações não foram profundamente afetados com o evangelho. No caso da África, é evidente a dificuldade da igreja ao lidar com as guerras tribais, a poligamia e a grande epidemia da AIDS. Já surge uma nova geração de africanos que desprezam o cristianismo. Falando na International Consultation on Discipleship, para 400 líderes de 90 organizações de 54 países, em 1999, Stott reafirmou que a igreja está crescendo com força, mas em muitos lugares o problema é que o crescimento não tem profundidade (Oosterhoff, 1999, p. 1). O Brasil, com seus 40 milhões de evangélicos e 200 mil templos, deve constantemente avaliar se o crescimento acelerado está sendo acompanhado com  profundidade teológica, substância espiritual, maturidade no discipulado e transformação comunitária.
 
Sem dúvida, a igreja evangélica brasileira fez um ótimo trabalho como obstetra, de evangelização, de parteira espiritual, gerando milhões de novos-crentes, introduzido-os ao leite materno da fé cristã. Entretanto, ela demonstra grandes dificuldades no conhecimento de Deus, no aprofundamento das dinâmicas da fé, na mortificação do pecado e no processo de transformação pessoal e comunitário. O evangélico brasileiro ainda crê e pratica um cristianismo infantil, bastante rudimentar, sem consciência da abrangência do pecado na sua vida e nas cidades.
 
Nos períodos de crescimento, a igreja porta-se como uma criança, cheia de vigor e energia, imaturidade e insegurança. Pais de crianças e adolescentes sabem muito bem a quantidade de gás e vitalidade (e comida!) que seus filhos liberam na prática de esportes, atividades diárias, escola, acampamentos, brincadeiras, etc. Entretanto, eles ainda são frágeis e imaturos, machucam-se e choram com freqüência, aprontam e apanham, são indefesos e dependentes. Muitos cristãos brasileiros foram superficialmente evangelizados e praticam o sub-cristianismo do aceitar-Jesus e das 12 lições de discipulado, desde que lhes garanta a entrada no trem celestial. Com os cultos de entretenimento e suprimento de necessidades, o crente continua a viver um estilo de vida pouco tocado pelos valores do evangelho, cuja semente não penetra nos terrenos mais profundos do coração humano e da sociedade brasileira.
 
 
Clique aqui para ler o restante deste texto no Irmãos.com
Foto de Richard Wong em CreativeMYK
 
 
 
Veja também:

0 comentários:

Related Posts with Thumbnails